O que é uma cooperativa

Uma cooperativa é um meio de ajuda mútua para o benefício de todos. É uma associação voluntária de pessoas e não de capital; com status legal completo; de duração indeterminada; responsabilidade limitada; onde as pessoas se reúnem para trabalhar a fim de buscar benefícios para todos. O objetivo principal é o serviço e não lucro ou lucro fácil. As cooperativas são regidas por estatutos e pela lei das associações cooperativas. O slogan é o espírito de fraternidade e igualdade entre seus membros, onde todos têm os mesmos deveres e direitos. Aquele que pensa permanentemente, raciocina e age de acordo com a filosofia e os princípios cooperativos pode ser chamado de cooperativo.

 

Os Princípios Cooperativos

Princípios estabelecidos pelo “ACI” (Aliança Cooperativa Internacional: considerado como o órgão representativo das cooperativas no mundo) em Manchester – Inglaterra em 23 de Setembro de 1995. Os princípios cooperativos são as linhas orientadoras através das quais as cooperativas põem em prática sua valores. (Valores: As cooperativas baseiam-se em valores de Ajuda Mútua, responsabilidade, democracia, igualdade, equidade e solidariedade Seus membros acreditam nos valores éticos:. Honestidade, transparência, responsabilidade social e cuidar dos outros). Os novos princípios do cooperativismo são 7.

PRINCÍPIO: ASSOCIAÇÃO ABERTA E VOLUNTÁRIA.

Este Princípio contém outros valores cooperativos:

Auto ajuda

Auto-responsabilidade

Solidariedade

Indica Adesão Voluntária e Aberta. As cooperativas são organizações voluntárias abertas a todas as pessoas aptas a usar seus serviços e dispostas a usar a sua adesão implica responsabilidades sem gênero (sexo), raça, classe social, política ou posição religiosa. Significa Afiliação, Livre Adesão, Liberdade para Entrar e se retirar da Cooperativa.

As cooperativas devem manter a porta aberta para a entrada voluntária de todas as pessoas. Qualquer pessoa que deseje entrar voluntariamente pode ser um membro de uma cooperativa. Quem se junta a uma cooperativa deve estar disposto a assumir os deveres e direitos que, como todo associado, possui. Manter as Portas Abertas para todos que querem entrar é chamado: “O Princípio da Porta Aberta”; que envolve o conceito de voluntariedade. O Associado deve se submeter ao cumprimento dos Estatutos e Regulamentos, mas se eles cumprirem, eles serão sancionados ou suspensos, ou seja, a Cooperativa aplica o Regulamento. A Seleção dos Associados deve ser aplicada, isto é, um direito inegável de todas as Cooperativas de escolher seus membros dentre aqueles que solicitam sua entrada; isso permite escolher pessoas honestas e leais.

Princípio que substitui o primeiro princípio: Libertas e Voluntariedade. Princípio estabelecido no Congresso de Viena em 1966. O PRINCÍPIO ABERTO E VOLUNTÁRIO DA ASSOCIAÇÃO É o primeiro dos princípios do cooperativismo. Liberdade e voluntariado nas cooperativas são expressas dizendo que as cooperativas devem manter a Porta Aberta para que possam entrar nela e que também possam se aposentar para tê-la.

A cooperativa pode negar a entrada como um associado de uma pessoa que é suspeito, alegando que não tem intenção direta de se candidatar a uma associação. Também tem a possibilidade de excluir os associados que violaram seriamente os padrões legais ou regulamentares. As disposições sobre exclusão devem ser muito cuidadosas e claras, a fim de evitar injustiças. O órgão autorizado para ordenar a expulsão: Assembléia Geral ou Conselho de Administração. O acusado deve ter a oportunidade de ouvir antes de decretar a expulsão. A possibilidade de recurso para o expulso antes da Assembléia Geral.

 

PRINCÍPIO: CONTROLE DEMOCRÁTICO DOS MEMBROS. (Gestão democrática)

As cooperativas são organizações democráticas controladas por seus membros, que participam ativamente na definição de políticas e tomada de decisões. Os homens e mulheres eleitos para representar sua Cooperativa respondem aos membros. Nas cooperativas de base, os membros têm igual direito de voto (um membro, um voto). Um voto para cada associado. Todos os Associados têm os mesmos direitos de voto e participação em cada uma das decisões tomadas em relação à Cooperativa. A Cooperativa deve ser dirigida e administrada pelas pessoas escolhidas ou designadas por seus próprios associados e não por pessoas de fora da entidade Cooperativa. Na Cooperativa, todos os associados têm o mesmo direito de participar na gestão e administração da empresa e podem ser eleitos para esses cargos.

Nas Cooperativas de Base, cada membro tem direito a um voto sem levar em conta o capital contribuído. Princípio que substitui o segundo princípio: o princípio Democrática Autonomia no Congresso de Viena, em 1966. COOPERATIVA PRINCÍPIO DA DEMOCRACIA PARA PAUL LAMBERT é o mais importante de todos. Este princípio é expresso com a fórmula, um voto do homem, o que significa que nas Assembléias Gerais das cooperativas, cada um dos associados tem um voto e apenas um voto, sem levar em conta a contribuição econômica. A orientação e direção da entidade cooperativa deve ser exercida por seus parceiros usuários com total autonomia. Na entidade cooperativa, como em qualquer organização com estrutura democrática, os direitos correspondem aos deveres.

O direito de participar das assembléias para decidir, eleger e poder ser eleito corresponde ao dever de cumprir com todas as obrigações previstas no estatuto.

 

PRINCÍPIO: PARTICIPAÇÃO ECONÔMICA DOS MEMBROS.

Os membros contribuem de maneira eqüitativa e controlam o capital da Cooperativa de maneira democrática. Pelo menos parte desse capital é propriedade comum da Cooperativa. Eles geralmente recebem uma compensação limitada, se houver, no capital subscrito como condição de associação.

O capital nas Cooperativas é um fator instrumental e não de propósito único ou primordial, não são obrigadas a remunerar as contribuições dos associados com qualquer interesse; Se o fizerem, deve ser como uma taxa estritamente limitada. Como estímulo de esforço realizado pelo associado, a Cooperativa paga anualmente um “Retorno Cooperativo”, que é fixado na legislação da Cooperativa.

Excedentes ou eventuais Economias resultantes das operações de uma Cooperativa são de propriedade dos Associados e devem ser distribuídos proporcionalmente ao uso dos serviços da Cooperativa, é onde se aplica uma das Doutrinas do Cooperativismo: Equidade.

Princípio que substitui o terceiro princípio: Juros Limitados ao capital e o quarto princípio: Aplicação sem fins lucrativos do excedente “Retorno Cooperativo”. Princípios estabelecidos no Congresso de Viena em 1966.

 

PRINCÍPIOS: AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA.

As cooperativas são organizações autônomas de ajuda mútua, controladas por seus membros. Se eles entram em acordo com outras organizações (incluindo o governo) ou têm capital de fontes externas, eles o fazem em termos que garantam o controle democrático de seus membros e mantenham a autonomia da cooperativa.

O princípio da Democracia Cooperativa implica o conceito de Autonomia, isto é, que a gestão e administração das Cooperativas deve estar nas mãos de seus próprios Associados, sem a interferência de outras pessoas ou entidades.

Pode-se afirmar que a autenticidade da Cooperativa Autonomía y Independencia é tanto mais firme quanto mais indicada é a participação dos Associados, principalmente através das Assembléias Gerais.

 

PRINCÍPIO: EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO.

As Cooperativas proporcionam educação e treinamento aos seus membros, seus líderes eleitos, gerentes e funcionários, de forma que contribuam efetivamente para o desenvolvimento de suas cooperativas. As cooperativas informam ao público em geral, em especial aos jovens e formadores de opinião sobre a Natureza e os benefícios do cooperativismo.

Como a Educação é o guia e a base sobre a qual qualquer entidade deste tipo se move, deve haver provisão em um Fundo para Educação e Treinamento Cooperativo para a Educação de seus Associados, Executivos, Gerentes, Empregados e a comunidade em Geral, ambos no econômico como no democrático. A legislação da Cooperativa estabelece 20% do excedente como mínimo para o Fundo de Educação. Este princípio possibilita o conhecimento e a prática de idéias e procedimentos. Princípio que substitui o quinto princípio: Princípio da Educação Cooperativa estabelecido no Congresso de Viena em 1966.

 

PRINCÍPIO: COOPERAÇÃO ENTRE COOPERATIVAS.

As cooperativas servem seus membros de maneira mais eficaz e fortalecem o movimento cooperativo. Trabalhar em conjunto através das estruturas locais, nacionais, regionais e internacionais.
O cooperativismo como um todo requer a união ou integração das cooperativas; isto é, toda Cooperativa deve cooperar ativamente com outras Cooperativas, a fim de se unir para lutar pelos interesses dos associados e da Comunidade.
Princípio que substitui o sexto princípio: Integração Cooperativa. Princípio estabelecido no Congresso de Viena em 1966. Este princípio é fundamental porque leva à chamada Integração Cooperativa. Ambos horizontal (entre cooperativas de base) e verticais (conformação de organismo de 2 e 3 graus).

 

PRINCÍPIO: COMPROMISSO COM A COMUNIDADE. (Interesses para a comunidade).

A Cooperativa trabalha pelo desenvolvimento sustentável de sua comunidade por meio de políticas aceitas por seus membros.
Os três primeiros princípios do cooperativismo apontam para a típica dinâmica interna de cada cooperativa.
Os quatro restantes permitem funcionamento interno e orientam as relações externas da Cooperativa.