O problema não são os respiradores

O problema é a diferença social. Uma analise da situação atual da crise do COVID-19

Atualmente temos 34 mil respiradores no brasil, em torno de 10% deles com falhas operacionais, quebrados ou na condição de sucata. Porque não reparar estes respiradores, afinal de contas seria algo em torno de 3.6 mil unidades a mais no patio hospitalar brasileiro de forma imediata. O problema passa que estes respiradores não foram recuperados quando tudo estava bem, com a economia pulsante, imagine agora. Com as importações e o dólar chegando no patamar que esta. Com todas ou quase todas as peças importadas, inclusive dos modelos fabricados no Brasil. Aonde vamos conseguir tantas válvulas e placas eletrônicas da Draeguer?

Venho dizendo já há quase um mês que o problema não são os respiradores, que qualquer estudante que tenha sido aprovado em maquinas térmicas no curso de engenharia ou em mecânica de fluidos 101 consegue fazer um respirador de Emerência. Isto não é algo difícil. Aliás, é um insulto ao contribuinte brasileiro achar que as universidades estão fazendo uma benfeitoria ao apresentarem soluções que são belíssimas, porém irrealizáveis, inviáveis de serem produzidas em escala. Aliás, qualquer pessoa que tente explorar a situação do Coronavirs sem realmente estar propondo algo factível ou útil. Talvez a nível regional uma pequena quantidade irrisória possa ser fabricada. Porém o problema é muito maior do que a cidade em que vivemos. É uma pandemia Global.

Mas Marcos, falar assim é fácil, quero ver fazer!

A Crise dos respiradores não apresenta um problema de engenharia. A crise dos respiradores exige que criemos uma solução que seja atendida pela logística que nós temos hoje. Todas as válvulas usadas em respiradores hospitalares (e usadas por projetos nacionais) são válvulas importadas. Todos os motores usados em nossos respiradores (nos projetos nacionais) são importados, todo o sistema de controle (seja PLC, Arduino, Raspberry é importado), inclusive o Ambu é importado (nome da marca criadora do conceito, aliás empresa Dinamarquesa). Existem fabricantes nacionais? Sim claro que existem, e estes já estão com sua produção a 100% com tudo o que podem e ainda assim não conseguem atender a demanda. 


A realidade é que o hiato que os pesquisadores e desenvolvedores de respiradores vivem com a realidade da engenharia clínica brasileira é gigantesco. A falta de conhecimento da realidade hospitalar na maioria dos postos e hospitais é gritante. Hoje em um dos painéis que participei a discussão era sobre segurança elétrica. Em quantos hospitais estas pessoas foram e mediram quantos fios terra estão conectados. Obviamente na rede hospitalar privada de São Paulo pode apostar que 100% das tomadas são aterradas, porém na rede pública, cujas instalações elétricas sendo otimista têm já 20 anos de feitas, duvido que exista um padrão em relação as normas técnicas de segurança exigidas. Eu sou o primeiro no meu dia-a-dia de trabalho a dizer: Sigam as normas! Vamos cumprir a NR-12 a NR-13 e também a NBR ISSO 80601-2-12 entre outras. Porém a realidade e a urgência hoje nos hospitais brasileiro é a realidade de uma guerra e não a de uma oficina de um burocrata do governo


Com a economia funcionando normalmente temos uma demora e falta de peças para reparar estas maquinas, imaginem vocês agora no meio de uma estagnação econômica, no congelamento do transporte de cargas a realidade que uma empresa de assistência técnica hospitalar esta passando. Uma válvula solenoide para controle de baixa-pressão, um sensor de fluxo com as especificações que precisamos para um respirador não baixam de R$800,00 a R$2600 dependendo da marca, do fabricante e do pais de origem. Estas peças demoram entre 20 a 30 dias para chegar com frete aéreo em condições normais de temperatura e pressão da economia mundial. O Governo americano vêm como um corsário inglês do século XVIII tirando equipamentos hospitalares de países como frança e Espanha, vocês realmente acham, que os filtros N95 (Fabricados pela 3M) que precisamos para filtrar o ar contaminado por pacientes vão chegar? Você acha que isso será a realidade de Maceió, Manuas, Casa Blanca? A realidade do Cairo, de Arica e de Guayaquil?


Volto a dizer, e reitero com enfase. O problema não é de engenharia, o problema é de sociologia. Políticas públicas, igualdade, acesso a saúde. O problema passa pelos intelectuais que pensam em soluções para a saúde pública sem nunca ter feito um exame na rede do SUS e acham que o SUS terá acesso em todo o pais ao que eles tem acesso em São Paulo ou Rio de Janeiro. Os profissionais do SUS tiram leite de pedra todos os dias. Eles saem de casa para trabalhar para não voltarem, para ficarem isolados de suas famílias para não contaminá-los com a esperança de que uma vacina saia rápido e logo. São pessoas que levam seus próprios utensílios de EPI descartáveis porque uma prima que trabalha com costura fabricou mascaras para que estes pudessem ir trabalhar com um risco menor. Outros sequer ganham um salário digno para as jornadas de trabalho que têm de as vezes 60 ou 80 horas semanais. 


Aqueles que não vêm esta realidade não compreendem como um todo a situação. Estão cegos, como todos aqueles de José Saramago em Ensaio sobre a Cegueira. Falta entender como é possível a nível global, a nível histórico mudar o paradigma, entender que o mundo que vivíamos há 3 meses atrás não existe mais. Que não há como voltáramos atrás. Você precisa escolher se continua lutando por um velho tarado explorador de crianças e mulheres que está respirando por aparelhos chamado sistema neo-liberal, que lhe deu condições econômicas, ou se aposta tudo para mudar o sistema o deixa morrer para lutar por uma sociedade mais colaborativa, onde os princípios da educação sejam pautados pela necessidade e pelo desejo e não pelo que é imposto pelo mercado. Onde nós possamos de maneira cooperativa lutar para criar juntos soluções que atendam a todos, inclusive na área da saúde, soluções estas que podem não ser tão bonitas como as soluções antigas, mas com certeza são tão funcionais quanto e mais democráticas.


Muitos de meus colegas viram que a realidade do Brasil é exatamente a mesma realidade da Índia, do Egito, do Marrocos, da Argélia. É a realidade de 5 Bilhões de pessoas no planeta terra. O Problema da pandemia ainda está concentrado entre as classes ricas, que foram viajar no carnaval para a Itália e Estados Unidos, que tiveram acesso a este tipo de luxos. Quando a pandemia começar a chegar nos barracos das favelas, no interior paulista e no cômodos apertados onde vivem 10 famílias é que começaremos a ter problemas. Problemas estes que não serão de engenharia, serão de saúde, de acesso a saúde, de igualdade no tratamento dos pacientes. Na Africa com seus 1,2 Bilhões de habitantes, na Índia, não quero imaginar o que será a dor nestes lugares se não tivermos uma solução que atenda com um mínimo de requisitos


O Pobre está perdendo o emprego, perdendo a saúde e perdendo a vida para uma pandemia que ele é o principal afetado, não porque só o pobre seja infectado, mas porque ele faz parte da maioria dos afetados. O Sr e a Sra pobre, pretos, favelados, índios e pardos que perderam seus direitos trabalhistas, que perderam seus direitos a aposentadoria, que não têm sequer um plano de saúde. Estes serão os mais afetados.


Ao intelectuais e "re-inventores da roda" que estão com toda a boa intenção do mundo estão colocando seus esforços em fazer respiradores touch-screen, com pressão controlada (ao envés de volume) e motores de passo com drivers de controle mais caros que meu celular. Peço encarecidamente que se abra um pouco a mente e a visão sobre a situação: Deixem de desperdiçar o dinheiro do contribuinte pesquisando como fazer uma caneta que escreva no espaço, peço desesperadamente que façam como os russos, usem um lápis. Simplifiquem o problema, pensem na ESCALA, na possibilidade de usar o que temos no Brasil. Se tiverem dúvidas, liguem para a faculdade de ciências humanas mais próximas, com certeza eles conseguirão ajudar muito mais na sua compreensão do problema.


Nova Iorque está colocando os familiares para respirarem pelos seus entes queridos apertando um Ambu 24 horas por dia. Vocês estão preocupados ainda com as normas de segurança dos seus equipamentos? Vocês realmente acham que um equipamento por mais simples que seja, tenha menos constância e confiabilidade que um humano, cansado, dentro de um ambiente contaminado? Vocês precisam perder um familiar um parente para despertarem? 


Estamos falando de respiradores até então, mas será que só este o problema? Os Estados Unidos já não têm testes, falta inclusive anestésicos, reagentes (Leia Aqui). Nos Brasil falta EPI. EPI! Nós há poucos anos fabricávamos aviões, plataformas de petróleo e hoje falta EPI.


É triste, não desmereço as normas técnicas, aliás eu as sigo a risca, com unhas e dentes todos os dias que reparamos autoclaves e equipamentos hospitalares. Porém agora não é a hora para este tipo de futilidades, agora é hora de produzir em escala. Um respirador veterinário neste momento é melhor do que nada. Um pano no rosto é melhor do que nada. Um filtro de café amarrado na boca, é melhor do que nada. Não perdemos perder de horizonte as normas técnicas neste momento, são elas a nossa pauta, porém no meio do caminho existe um oceâno de gente literalmente para salvar. E estes meus amigos, não tem tempo para perder, estes precisam de soluções já. Veja o caso de Manaus, veja o cenário em Lambayaque no Peru, ou Guayaquil no Ecuador


Temo que as autoridades precisem ver o sangue correndo nas ruas no Brasil para tomarem uma atitude resolutiva no que diz respeito a este problema. É lamentável ver este tipo de situação chegar a este ponto, reitero, a dor é a pior maneira que um ser humano tem para apreender, pois além de ser uma forma lenta, deixa muitas cicatrizes.


Venho apostando toda a minha vida e as minhas fichas em atitudes colaborativas, o conhecimento não deveria ser uma mercadoria, nem muito menos os itens básicos para a manutenção da saúde. O Dinheiro não deveria pautar as nossas relações humanitárias e sim a necessidade. Enquanto estivermos como humanidade nos relacionando por interesse, seja com a China, com EUA ou com a Europa, e não por necessidade com a África, Oriente Médio e outros países continuaremos cada um isolado em seu mundo lamentável de desigualdades sociais, aonde os pobres continuarão morrendo por Ebola, Covid-19, Fome ou Tuberculose. Já os ricos irão continuar morrendo de hipertensão, suicídio e diabetes


Marcos Méndez
Fundador da Comunidade